Contratempos

Heloisa Ferreira da Costa

Importante na vida é a saúde; com saúde podemos resolver qualquer problema

A vida seria maravilhosa se não houvesse os percalços, mas sabemos que, se assim fosse, nada aprenderíamos, pois é na solução dos problemas que evoluímos. Convenhamos: existem certos contratempos no dia-a-dia que nos tiram do sério. Como o gênero humano é complexo!

Contratempo significa, segundo dicionários de português, acidente, imprevisto, contrariedade, obstáculo, ou seja, são várias definições para uma mesma palavra que, quando aparece na nossa agenda, significa que algo ou alguém se tornou uma questão que precisa ser resolvida, dissolvida ou engolida.

Quando eu era mais jovem, qualquer coisa era suficiente para me estressar, porque sempre fui um pouco perfeccionista. Quando as coisas fugiam um pouco do meu controle, pronto, lá se ia a minha paz interior e a das pessoas que estavam ao meu redor, reconheço.

Nasci sob os princípios desta magnífica doutrina, e me lembro muito bem quando ia à casa de minha avó reclamar de algo: relacionamento com meus pais ou anseios não alcançados, viagens indeferidas, coisas da juventude e adolescência. Depois de explanar efusivamente as questões que me pareciam tão inaceitáveis e importantes, minha avó me olhava e perguntava: "Estão todos com saúde?". Eu respondia prontamente que sim, mas que não era essa a questão, e voltava aos meus queixumes. Em pouco tempo, sem argumentar, ela repetia sua pergunta e me explicava que tudo ia passar e que o importante era a saúde. Eu ficava irritada com a postura dela. Tantos anos se passaram dessas conversas com a vovó Augusta, e a maturidade e o estudo constante do Racionalismo Cristão me ensinaram como ela estava certa: o mais importante na vida é a saúde, porque problemas, questões, contratempos, seja lá o nome que queiramos dar, podemos resolver se tivermos saúde.

Existem a saúde do corpo e a do espírito. Então, de nada adianta ir à academia todos os dias para malhar o físico e não se preocupar com os exercícios da mente. Ela deve ser exercitada também e os exercícios para deixar a mente forte são limpeza psíquica, leitura, ir à casa racionalista cristã toda semana. Esse é o treinamento essencial para aprendermos a resolver os contratempos da vida, mente e corpo precisam estar preparados.

Estou lendo alguns livros interessantes, um deles fala sobre o que nos faz felizes como seres humanos. O autor explica que os humanos são a única espécie que se preocupa com o futuro. Um cachorro, por exemplo, não fica prostrado diante de uma tigela de comida pensando no amanhã, ele vive o instante, aprecia o alimento sem questionamentos. Uma boa parte de nossa infelicidade está em não sabermos viver no presente, fechados em compartimentos diários, na soleira do instante, como diz Nietzsche: "Quem não é capaz de se estabelecer na soleira do instante, esquecendo tudo que é passado, não saberá jamais o que é felicidade". Ou ainda outra citação, desta vez atribuída a Buda: "O segredo da saúde mental e corporal está em não se lamentar pelo passado, não se preocupar com o futuro, nem se adiantar aos problemas, mas viver sábia e seriamente o presente."

Todos esses livros e o preparo mental antes de iniciar as atividades do dia e ao terminar as da noite me fazem compreender melhor a vida e ser relativamente feliz. Claro que existem contratempos diariamente: no trabalho, na família, nos relacionamentos, mas tudo tem solução, e sempre me lembro da pergunta de minha avó sobre a saúde.

No final de cada dia de atividades, sempre falo com as pessoas que trabalham comigo: "amanhã a gente brinca mais!" porque devemos encarar o trabalho como uma gostosa brincadeira. Às vezes, tudo dá errado em um determinado dia; não faz mal, sempre haverá o amanhã para se consertar o que não deu certo e, brincando, a gente aprende a viver e aprendendo a viver se evolui, que é para isso que aqui estamos.

Devemos aprender a nos controlar, isso nos diferencia dos animais irracionais. A emoção tem como definição qualquer agitação ou perturbação, sentimento, paixão, qualquer estado mental que desoriente o indivíduo – é isso que fazemos no Racionalismo Cristão, aprendemos a pensar, e assim aprendemos a ser felizes, apesar de tudo que temos que enfrentar na luta pela vida.

Ser feliz, psicologicamente falando, não é ter uma vida perfeita, mas saber extrair sabedoria dos erros, alegria das dores, força das decepções e coragem dos fracassos. 

(A autora é Militante da Filial Marília, SP)

Página principal | Arquivo